terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

LUÍS MENDONÇA - NOVO LIVRO

José Luís Mendonça lança amanhã, na sede da União de Escritores Angolanos (UEA), o seu livro de poesia "Angola, Me Diz Ainda".

Para o autor, a poesia e a política entrecruzam-se, havendo sempre uma dose de uma na outra. Deste modo, José Luís Mendonça expõe-se numa poesia de intervenção, "num trabalho literário composto numa linguagem muito particular da angolanidade, tendo como ponto de partida o português e alguma expressividade do quimbundo."

Numa Angola independente, José Luís Mendonça resgata o legado da geração dos anos 40 do século XX, que tinha como missão descobrir Angola. O poeta sente que a missão ainda está inacabada e por isso, o slogan "Vamos Descobrir Angola" continua válido como projeto cultural.

José Luís Mendonça nasceu a 24 de Novembro de 1955, no Golungo Alto, província do Cuanza-Norte. Licenciou-se em Direito pela Universidade Agostinho Neto e é membro da União dos Escritores Angolanos desde 1984, José Luís Mendonça publicou diversos livros com destaque para "Chuva Novembrina" (Prémio de poesia Sagrada Esperança em 1981).
Fonte: "Luís Mendonça lança amanhã livro de poesia", Jornal de Angola, 20/2/2018.

LOPITO FEIJÓO - PRÉMIOS DA LUSOFONIA

O escritor angolano Lopito Feijóo, foi um dos autores distinguidos pelos Prémios da Lusofonia em 2017. Com esta distinção internacional, procurou-se destacar a carreira do poeta, autor de mais de uma vintena de títulos. 
"Imprescindível Doutrina Contra" é o mais recente trabalho poético do autor.
Na mesma ocasião, para além de Lopito Feijóo foram também premiadas e homenageadas outras figuras tais como; a cantora Celina Pereira de Cabo Verde, o ator Rui de Carvalho de Portugal, o embaixador Lauro Moreira do Brasil, o jornalista Gabriel Baget de Angola, o escritor Tony Tcheka da Guiné-Bissau, o escritor Delmar Gonçalves de Moçambique , o escritor Mário Máximo de Portugal, o investigador e o escritor Luís Costa de Timor, dentre outras personalidades das artes e do mundo cultural lusófono.
Fonte: Club-K, 30/8/2017.

ZÉ DU PAU - MÚSICO ANGOLANO

Morreu músico "Zé du Pau" - Angola Press/Youtube


No dia 29 de dezembro de 2017, faleceu José Farto Marques Airosa Ferrão, mais conhecido por Zé du Pau, foi um cantor angolano que se destacou na década de oitenta e no princípio de noventa. Da sua discografia  destacam-se os sucessos “Páginas Rasgadas do Livro da Minha Vida” e "Se te meteres na minha vida".
Zé du Pau começou a sua carreira, em 1970, como guitarra solo do conjunto “Os Corvos”, do qual foi um dos fundadores, com Gildo Costa (vocalista principal e compositor), Zeca Pilhas Secas (viola baixo e ritmo), José dos Santos (vocal), Didino (tambores) e Novato (vocal e dikanza).
O Ministério da Cultura angolano destacou o contributo do cantor na promoção, valorização, preservação e internacionalização da música angolana. 
Fontes: Angop - Agência Angola Press, 29/12/2017; Youtube.

SIMÃO SOUINDOULA (1956-2018) - INVESTIGADOR

Simão Souindoula (1956-2018), investigador angolano. Nasceu no dia 11 de Maio de 1956 em Maquela do Zombo, Província de Uíge.
A sua obra vai da antropologia à linguística angolana, tendo escrito sobre as expressões artísticas, musicologia, literatura, diáspora cultural angolana e a origem angolana do tango argentino.
Sobre a Música Popular Angolana, deixou um estudo biográfico sobre o cantor e compositor, Manuel de Oliveira, eminente guitarrista do grupo São Salvador, fundado em 1949. Deixou ainda a sua marca noutros textos, designadamente “Kimpa Vita, uma tragédia inacabada”, publicado no Jornal de Angola do dia 6 de Abril de 2011, “Sítios e instituições de memória do mundo negro”, comunicação apresentada em conferência temática na África do Sul, e “Norte-americana reedita, em Paris, romance sobre a Rainha Njinga,” apresentado na União dos Escritores Angolanos, em Maio de 2011, sobre o livro “Njinga, Reine d’Angola”, de 1687, obra que contém manuscritos do padre italiano, Cavazzi de Montecuccolo, e prefácio dos historiadores norte-americanos Linda Heywood e John K. Thornton, uma versão mais pormenorizada dos relatos da “Istorica Descrizione de treregni Congo, Matamba e Angola”, do referido padre, editados em 1568.
Simão Souindoula teve uma imensa intervenção académica e institucional, tendo sido entre muitas outras coisas consultor do Centro Internacional de Civilização Bantu, de 1984 a 2006, em Libreville, no Gabão, e Director das suas Produções Culturais onde coordenou durante vinte e dois anos, vários programas de publicações e comunicações científicas, assim como projetos de promoção artística.
Fonte: Club K, 15/1/2018.

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

LITERATURA XHOSA


"Xhosa literary history: towards transformation in selected Xhosa novels", Russell H Kaschula


Resumo
"Este artigo traça o desenvolvimento da literatura escrita Xhosa diante de um fundo histórico, construído sobre o trabalho de Albert Gerard. Afirma-se que há cinco eras na literatura Xhosa, começando em 1810 e terminando em 1990 com o que se chama "Era de Transformação". Além disso, os romances Xhosa selecionados são analisados em ordem a refletir e apoiar essas eras de desenvolvimento. A história literária Xhosa é vista como integralmente ligada aos conflitos sócio-políticos e espaciais, que têm ocorrido na sociedade sul-africana."

Fonte: South African Journal of African Languages ,Volume 23, 2003 - Issue 2,
Pages 60-76 | Received 01 Jan 2003, Published online: 24 Oct 2012

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

SARA CARNEIRO - EXPOSIÇÃO "DO NORTE PARA SUL, ENTRE A PAISAGEM E O HOMEM"

Está aberta ao público, na Galeria CCMA - Centro Cultural Moçambicano-Alemão, Moçambique, a exposição de Sara Carneiro "Do norte para sul, entre a paisagem e o homem". Nela, a artista que "encontra nas matérias objectos de interesse que lhe permitem exprimir pensamentos dentro do seu imaginário, faz um retrato introspectivo da sua relação pessoal com Moçambique. Esta exposição reúne diferentes pinturas remetentes à primeira fase de enamoramento pelas planícies moçambicanas. Aos poucos estas obras vão se tornando mais sombrias, afastando-se assim dos céus e aproximando-se de questões de identidade e consciencialização histórica. Este último estágio é composto por diversas obras com óleo queimado negro e autorretratos."
Sara Carneiro nasceu na cidade de Viseu em 1994. Em 2012 prosseguiu os estudos em Artes Plásticas na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, onde em 2016 se licenciou no ramo de Multimédia.
Durante o período de estudos participou em diferentes exposições coletivas e individuais tais como: “CARMO é nome de mulher” na Galeria Carmo’81, “Positivo\Negativo” na Galeria Almadas e “The Things We Build” no CACE Cultural no Porto.
Em 2016 trabalhou como assistente no atelier do artista Baltazar Torres e no começo de 2017 viajou para Moçambique para estagiar no Instituto Superior de Arte e Cultura, onde hoje é docente da disciplina de Multimédia.

sábado, 3 de fevereiro de 2018

ZIKISWA WANNER - ESCRITORA

Zukiswa Wanner venceu, em 2015, o Prémio South African Literary Award’s K.Sello Duiker Award com o seu quarto romance, London Cape Town Joburg. Outros romances seus foram finalistas no Commonwealth Best Book (região africana) e no Herman Charles Bosman Awards. Foi membro do júri no 2015 Etisalat Prize for Fiction e  no Commonwealth Short Story Prize 2015. Zukiswa Wanner foi 2016 Danish International Visiting Artist (DIVA).
Participou no Abantu Book Festival 2017, no Soweto.